fachada

Servidores em greve pensam em ocupar prédios em São Vicente, SP

Decisão vai ser tomada após assembleia.
Greve teve inicio nesta terça-feira.

Os servidores públicos de São Vicente, no litoral de São Paulo, que entraram em greve nesta terça-feira (1º), cogitam invadir os prédios públicos municipais como forma de protesto.

A greve foi decretada no dia (27), após assembleia realizada na sede do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Vicente (SindServ).

O motivo da paralisação é o escalonamento salarial, que é a divisão dos pagamentos por categoria, promovido pela prefeitura.

Depois de assembleia, realizada nesta terça-feira em frente ao Paço Municipal, alguns servidores deram a ideia da ocupação de prédios públicos aos lideres do sindicato.

“Sabemos que é um risco, e pedimos que na liderança haja com consciência. Nosso movimento é pacífico e ordeiro. Sabemos que a pessoas começam a entrar em desespero e, por conta disso, querem descontar em alguma coisa. Tenho certeza que o servidor irá pela racionalidade. Se tiver ocupação, vão manter a ordem”, explica o secretário geral do SindServ, Roberto Ciccareli Filho

Uma nova assembleia será realizada ainda nessa terça-feira para discutir a proposta da ocupação e outros pontos.

Manifestantes se reúnem em frente ao Paço Municipal de São Vicente (Foto: Roberto Strauss/G1)Manifestantes se reúnem em frente ao Paço Municipal de São Vicente

Perseguição
Às 15h, os servidores públicos realizarão uma passeata, com início em frente ao Paço Municipal, contra uma possível perseguição contra guarda civis municipais.

“Desde o início de novembro, constatamos uma perseguição muito forte na Guarda Civil Municipal. Foram trocados postos de trabalhos, horários totalmente diferentes, o que caracterizou perseguição. Fizemos questão de colocar isso na defesa de processo de greve, instaurado pela prefeitura”, disse Roberto.

Em nota, a administração pública afirmou que não há penalização de guardas em razão da greve. Na verdade, o que há é um planejamento estratégico realizado de acordo com a vontade pessoal de cada integrante da corporação.

Ainda segundo a prefeitura, as mudanças de postos são normais, já que os agentes não foram contratados para servir em um determinado local ou horário.

Prefeito Luis Cláudio Bili durante entrevista, na manhã desta segunda (9) (Foto: Guilherme Lucio da Rocha/G1)

Prefeito Luis Cláudio Bili durante entrevista (Foto: Guilherme Lucio da Rocha/G1)

Escalonamento
Na segunda-feira (30), representantes do SindServ se reuniram com representantes do Executivo, que anunciaram o cronograma do escalonamento.

De acordo com a prefeitura, o pagamento dos salários de novembro e cestas básicas dos servidores serão escalonados por conta de insuficiência de caixa. O sindicato da categoria se posicionou contra a medida.

Segundo o cronograma de pagamento, divulgado pelo Executivo, a última classe de servidores deve receber os salários no dia 15 deste mês, o que poderá ser antecipado, caso haja arrecadação por parte do município.

Crise
De acordo com o prefeito de São Vicente, Luis Cláudio Bili (PP), o escalonamento deve se manter até janeiro de 2016. “Infelizmente essa situação só deve ser resolvida em 2016. Também não tenho condições de garantir o pagamento do 13°. A nossa esperança é que o benefício seja pago no dia 20 de dezembro, como o programado”, afirmou, durante a última greve.

O município de São Vicente passa por uma grande crise financeira, segundo o prefeito Luis Cláudio Bili. “Quero deixar bem claro que São Vicente não foi fundada no dia 1° de janeiro de 2013 [data em que ele assumiu a Prefeitura]. Quando cheguei à prefeitura, não sabia que a dívida era tão grande e a situação tão grave”, disse.

Além disso, a cidade também sofre com a inadimplência. Cerca de 57% dos munícipes não realizou o pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

 




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com